Arquivo da tag: thomas merton

“Seu amor imperscrutável procura o momento do nosso despertar.”

 
 
 
 
 
 
 
 

Jesus, eu Te adoro!

Jesus, Jesus, eu Te adoro.
Jesus, Jesus, eu Te Adoro.

Com todos os anjos, eu quero Te contemplar.
Jesus, Jesus, meu Deus, meu Senhor!

 

 

 

Hoje…

contemplando a vida com Thomas Merton…

 

 
 
 
 
 
 
 
As sementes que são plantadas em minha liberdade, a cada momento, pela vontade de Deus são as sementes de minha própria identidade, minha própria realidade, minha própria felicidade, minha própria santidade.” 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
“Deus está vivencialmente presente, e nós temos consciência de que Deus está conosco. Isto é contemplação, não é?
A experiência da proximidade e da intimidade de Deus.
Portanto, se amamos, o amor que nos faz amar uns aos outros em comunidade é o amor que nos torna contemplativos.”
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

As sementes perecem…

“Cada momento e cada acontecimento da vida de cada homem na Terra planta algo em sua alma.
Pois, assim como o vento carrega milhares de sementes aladas, cada momento traz consigo germes de vitalidade espiritual que vão repousar imperceptivelmente na mente e na vontade dos homens.
A maioria dessas inúmeras sementes perece e é perdida, porque os homens não estão preparados para recebê-las, pois sementes como essas não podem brotar em nenhum lugar a não ser no bom solo da liberdade e do desejo.”

As sementes perdidas

 
A maior parte dessas inumeráveis sementes perecem e ficam perdidas, porque não estão os homens preparados para recebê-las.
Pois sementes como essas não podem germinar a não ser na boa terra da liberdade, da espontaneidade, do amor.
(…)Temos de aprender a reconhecer que o amor de Deus nos procura em cada situação e procura o nosso bem.
Seu amor imperscrutável procura o momento do nosso despertar.”
Um pensamento para reflexão:
 
“Se estivéssemos buscando a Deus, todo acontecimento e todo momento semeariam, na minha vontade, grãos de Sua vida, que brotariam um dia gerando uma colheita extraordinária.”
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Contemplação

“ A contemplação é também a resposta a um chamado. Um chamado daquele que não tem voz e no entanto se faz ouvir em tudo que existe, e que, sobretudo, fala nas profundezas de nosso próprio ser, pois nós somos palavras dele. Mas somos palavras que existem para responder a ele, atendê-lo, fazer-lhe eco e mesmo, de certo modo, para estarem repletas dele, contê-lo e significá-lo.
A contemplação é esse eco.
É uma profunda ressonância no mais íntimo centro de nosso espírito, onde nossa própria vida perde sua voz específica e ecoa a majestade e a misericórdia daquele que é oculto mas Vivo.
(…) É um despertar, uma iluminação, e a apreensão intuitiva, espantosa, com que o amor se certifica da intervenção criadora e dinâmica de Deus em nossa vida cotidiana.
A contemplação, portanto, não “encontra” simplesmente uma idéia clara sobre Deus, confinando-o dentro dos limites dessa idéia, retendo-o como um prisioneiro a quem se pode sempre voltar.
Pelo contrário, a contemplação é que é por ele arrebatada e transportada ao próprio domínio dele, seu mistério, sua liberdade.
 
 
 
 
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Esperando a Palavra de Deus em silêncio

“ Contemplação é, essencialmente, escutar em silêncio, uma expectativa… Em outras palavras, o verdadeiro contemplativo não é aquele que prepara sua mente para uma determinada mensagem que deseja ou espera ouvir mas sim, aquele que permanece vazio porque sabe que não pode esperar ou antever a palavra que irá transformar sua escuridão em luz.
Não pode mesmo prever um tipo especial de transformação.
Não requer luz ao invés de escuridão.
Ele espera a Palavra de Deus em silêncio e quando obtém a ‘resposta’, não é tanto pelo irromper do mundo em seu silêncio.
É pelo seu próprio silêncio repentina e inexplicavelmente revelando-se a si mesmo como uma palavra de grande força, plena da voz de Deus.”
Um pensamento para reflexão:
“Nenhum escrito sobre as dimensões da meditação solitária da vida pode dizer algo que já não tenha sido dito pelo vento e pelos pinheiros.”
DONA DE MIM NÃO SOU
… ME ACOSTUMEI A SER TUA…
…DIZEM QUE A MESMA JA NÃO SOU
…MAS… TRAGO EM MIM
…………………………..TEU AMOR!!!

Ouvir as palavras em silêncio

“ A mensagem da misericórdia de Deus para com o homem deve ser anunciada. A palavra da Verdade tem de ser proclamada.
Isso não pode ser negado.
Entretanto, não são poucos os que começam a sentir a inutilidade de acrescentar mais palavras ainda à continua maré que se derrama, sem sentido, sobre todos, em toda parte, da manhã à noite.
Para que a linguagem possa ter sentido, é necessário que haja, em algum lugar, intervalos de silêncio para separar uma palavra da outra, um pronunciamento do outro.
Quem se retira em busca de silêncio não necessariamente odeia a palavra.
Talvez sejam o amor e o respeito pela linguagem humana que lhe impõem silêncio.
Pois a misericórdia de Deus só é ouvida em palavras se for ouvida – tanto antes como depois de pronunciadas as palavras — em silêncio.”
Um pensamento para reflexão:
“Que eu procure, pois, o dom do silêncio, da pobreza e da solidão, onde tudo que toco se transforma em oração; onde o céu é minha oração, os pássaros são minha oração, o vento nas árvores é minha oração, pois Deus é tudo em tudo.”
Na liberdade da solidão, Thomas Merton
 
 

Solidão e a luta contra a alienação

“A solidão tem seu trabalho especial: aprofundamento da consciência, que o mundo precisa.
Luta contra a alienação.
A verdadeira solidão é profundamente consciente das necessidades do mundo.
Não mantém o mundo à distância.”
 
Um pensamento para reflexão:
“Devemos estar desapegados da vida espiritual, mas mesmo assim vivê-la.”
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma vida a ser vivida

“A (vida espiritual) não é apenas algo a ser conhecido e estudado, mas a ser vivido. Como toda vida, adoece e morre quando separada de seu elemento próprio.
A graça está enxertada em nossa natureza e o homem todo está santificado pela presença e ação do Espírito Santo.
A vida espiritual não é, portanto, uma vida completamente separada, desarraigada da condição humana e transplantada para o reino dos anjos. Vivemos como criaturas espirituais quando vivemos como homens que procuram a Deus.
Para sermos espirituais, temos de permanecer humanos.”
Um pensamento para reflexão:
“A vida espiritual é, antes de mais nada, vida.”

Vida espiritual: nem truques nem atalhos

“O único problema é que, na vida espiritual, não há truques nem atalhos.
Os que imaginam que podem descobrir jeitinhos especiais e tirar partido deles costumam ignorar a vontade de Deus e Sua graça.
São autoconfiantes e até autocomplacentes.
Os que desde o início pensam que ‘sabem’, na verdade nunca chegarão a saber nada.”
Um pensamento para reflexão:
“Não queremos ser iniciantes. Mas devemos nos convencer do fato de que nunca seremos outra coisa além de iniciantes a vida inteira!”

Gratidão

“Ser grato é reconhecer o amor de Deus em tudo que Ele nos deu – e deu-nos tudo. Cada respiração é um dom do seu amor, cada momento de existência é uma graça, pois traz consigo graças imensas de Deus.
A gratidão, portanto, nada considera como devido, nunca deixa de corresponder, a cada instante desperta para novas maravilhas e para o louvor da bondade de Deus.”
Um pensamento para reflexão:
“Nosso conhecimento de Deus é aperfeiçoado pela gratidão: somos gratos e nos rejubilamos com a experiência da verdade de que Ele é amor.”
Na liberdade da solidão, Thomas Merton