Arquivo da tag: alegra

A liberdade está nesta alma cuja única razão de existir é Deus, cuja vida é Deus e nada mais do que Deus.

bible

 

Alegra o espírito do Teu servo, pois para Ti, Senhor, elevo a minha alma.

cbx-musica (73)

 

LeiturasLUZ FIMIs. 58,9b-14.Eis o que diz o Senhor:« Se tirares do meio de ti toda a opressão, os gestos de ameaçam e as palavras ofensivas,
se repartires o teu pão com o faminto e matares a fome ao pobre, a tua luz brilhará na tua escuridão, e as tuas trevas tornar-se-ão como o meio dia.

O SENHOR te guiará constantemente, saciará a tua alma no árido deserto, dará deserto-floridovigor aos teus ossos. Serás como um jardim bem regado, como uma fonte de águas inesgotáveis.
Reconstruirás ruínas antigas, levantarás sobre antigas fundações. Serás chamado: «Reparador de brechas, restaurador de casas em ruínas.»
Se te abstiveres de trabalhar ao sábado, de te ocupares dos teus negócios no meu dia santo, se chamares ao sábado a tua delícia, consagrando-o à glória do SENHOR; se o solenizares, abstendo-te de viagens, de procurares os teus interesses, e de tratares os teus negócios,
então, encontrarás a tua felicidade no SENHOR.
Far-te-ei desfilar sobre as alturas da terra, alimentar-te-ei com a herança do teu pai Jacob. É o próprio SENHOR quem o diz!
 

DESERTO 2

 

 

 

 

SUA IGREJA ME ACEITA

Reflexão – Lc 5, 27-32
 
Nós queremos afastar os pecadores da Igreja e isso é o maior erro que podemos cometer. Jesus acolhia todos os pecadores e pecadoras e comia com eles, sendo que muitas vezes como, por exemplo, no evangelho de hoje, os chamava para ser seus seguidores, e até mesmo apóstolos. A nossa prática, no entanto, está na maioria das vezes fundamentada na discriminação das pessoas por causa de determinados tipos de pecado, e isso faz com que sejamos iguais aos fariseus do tempo de Jesus, que discriminavam os pecadores, os expulsavam do Templo e consideravam impuras todas as pessoas que se relacionavam com eles. Devemos acabar com o farisaísmo que muitas vezes marca a Igreja na discriminação dos pecadores e termos a atitude da acolhida que Jesus tinha.
CNBB
 
 
 
 
ME ACEITA NA SUA IGREJA
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Beato Rafael Baron1Comentário ao Evangelho do dia feito por
São Rafael Arnaiz Baron (1911-1938), monge trapista espanhol
Escritos espirituais, 15/12/1936
 
«Deixando tudo, o homem levantou-se e seguiu-O»Há dias em que os aviões atravessam o céu a velocidades prodigiosas, sobrevoando o mosteiro.

O ruído dos seus motores assusta os passarinhos quese aninham nos ciprestes do nosso cemitério.
Em frente do convento, atravessando os campos, há uma estrada alcatroada por onde circulam a toda a hora camiões e carros de turismo que não se interessam pelo mosteiro. Uma das principais vias férreas de Espanha também atravessa os terrenos do mosteiro. […] Ouve-se dizer que tudo isto é liberdade. […] Mas quem meditar um pouco verá como o mundo se engana no meio daquilo a que chama liberdade. […]Onde se encontra então a liberdade? Encontra-se no coração do homem que apenas ama a Deus. Encontra-se no homem cuja alma não está presa nem ao espírito nem à matéria, mas apenas a Deus. Encontra-se nesta alma que não está submetida ao eu egoísta; na alma que voa por sobre os seus próprios pensamentos, os seus próprios sentimentos, o seu próprio sofrer e fruir.
 
A liberdade está nesta alma cuja única razão de existir é Deus, cuja vida é Deus e nada mais do que Deus.O espírito humano é pequeno, é reduzido, está sujeito a mil variações, a altos e baixos, a depressões, a decepções, etc., e o corpo tem uma grande fraqueza.
A liberdade está portanto em Deus.
A alma que, passando realmente por sobre tudo isto, funda a sua vida n’Ele, pode dizer-se que goza de liberdade, na medida do possível para quem está ainda neste mundo.
 
http://www.evangelhoquotidiano.org
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
aliançaLouvor que me recorda a primeira vez que vi a comunidade Aliança de Misericordia! Estava assistindo a TV Canção Nova, e ao ver uma pregação do padre Antonello, e em seguida todos cantando esta musica e jogando as blusas para o alto, demostrando a liberdade dos filhos de Deus, pensei:
“Eu quero viver isto, vou conhecer esta comunidade!”
(Sol)
 
 
 
 
 
livres_para_viver
 
 
 
 
 
 
 
 

São Rafael Arnáiz Barón, gosto muiiiiito!

 

O irmão Rafael Arnáiz Barón, monge trapista espanhol, foi canonizado em 11 de outubro por Bento XVI na Praça S. Pedro, no Vaticano.Beatificado em 1992, o santo foi proposto por João Paulo II como modelo para os jovens em Santiago de Compostela em1989, por ocasião do Dia Mundial da Juventude.
Durante a homilia de canonização, o Papa Bento XVI mencionou o exemplo que o Hermano Rafael, significa para todos os jovens que buscam a verdade em Deus.
 
 
MONJE RAFAELSão Rafael Arnáiz Barón
O olhar fixo n’Ele
“Agora compreendo muito bem esse caminho tão estreito que assinala São João da Cruz e que está entre outros dois, nos quais diz: oração, contemplação, consolos espirituais, dons da terra, dons do céu, etc. Pois bem, entre esses dois caminhos está o que eu digo e que somente diz nada… nada… nada…
Que difícil é chegar a isso. E para nós que andamos nos princípios, que fácil é equivocar-se, e quantas vezes queremos encontrar a Deus onde não está. E quando cremos haver lhe encontrado, nos encontramos com nós mesmos… Mas não há que desanimar pois tudo permite Deus para o bem da alma e, sem conhecer o fracasso, não se saboreia o êxito; e antes de aproximar-se de Deus não há mais remédio a não ser despojar-se de tudo e permanecer no nada, como diz São João da Cruz.
são rafael ...Pois bem, nada de novo te digo, e que Deus me perdoe o querer tratar coisas tão altas quando ainda, sem saber engatinhar, já quero voar…
Esse tem sido meu pecado e continua sendo… Que importa se estamos acima ou abaixo, perto ou longe de Deus? Dirijamos a Ele nossos olhares e unamo-nos para louvar-lhe, uns na vida monástica, outros nas missões, outros no mundo, uns de uma maneira e outros de outra.
Que importa? É Ele que plenifica tudo e se nos olhamos uns aos outros perdemos tempo… Muito formosa é às vezes a criatura mas sua visão nos distrai do Criador.
Devemos seguir com o olhar fixo n’Ele, quer estejamos entre santos quer entre pecadores… Nós não somos nada; nada valemos nem para nada servimos quando estamos distraídos e não fazemos caso do Senhor.
Não percamos, então, tempo, e se com um pequeno sacrifício, com uma oração ou com um ato de amor, agradamos ao Senhor, então que possamos dizer que pelo menos temos servido para algo, que é para dar a Ele maior glória.
Essa deve ser nossa única ocupação e nosso único desejo”.

São Rafael Arnáiz Barón

Carta de 23 de julho de 1934 a sua tia, Duquesa de Maqueda
Obras Completas, pp.223-238
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
rafael-arnaiz-hermano.jpg.w300h349

«Deus está em tudo, mas esse tudo não é Deus »

As almas acostumadas a ver ao Criador nos mais pequenos detalhes da Criação, nas maravilhas da natureza, na harmonia do Introito de uma Missa, ou no coração de um homem, que dúvida há de que gozam de Deus e que Deus se vale de tudo isso para muitas vezes despertar a uma alma adormecida? Que efetivamente a alma vê a Deus, ninguém o duvida, mas é de uma maneira imperfeita, pois antes de chegar à paisagem, sua vista se detém seja na névoa, num inseto, no sol, num pouco de música ou na grandiosidade de um coração. Claramente se chega a ver que é na solidão de tudo onde deveras se encontra a Deus!… Que grande misericórdia é a sua quando, fazendo-nos saltar por cima de todo o criado, nos coloca nessa planície imensa, sem pedras nem árvores, sem céu nem estrelas, nessa planície que não tem fim, onde não há cores, onde não há nem homens, onde não há nada que distraia a alma de Deus!
Infinita bondade do Eterno que, sem que mereçamos, nos coloca nessas regiões de solidão para ali falar-nos ao coração.
Infinita paciência a de Deus que, dia após dia, noite após noite, vai perseguindo as almas apesar de suas quedas, apesar de suas ingratidões e egoísmos, apesar dos obstáculos que continuamente colocamos, apesar de esconder-nos muitas vezes, não de seu castigo, mas, dá vergonha dizê-lo, da sua graça.
Bendita solidão que nos aproxima de Deus!”

Frei María Rafael Arnáiz Barón

Vida y Escritos del Beato Fray María Rafael Arnáiz Barón
Mi Cuaderno, pp.367-368
papa solidão
BARRA
Melodia que me ensinou a buscar a alegria do encontro com a solidão desejada! (Sol)
 
solidão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
arco iris2
 
 
 
 
PENSAMENTOS
“No silêncio e na oração podemos fazer mais que com todo o ruído de palavras”.
“A verdadeira cela monástica, a levamos dentro”.
“É para mim um consolo descansar do dia, escrevendo sobre Deus”.
“Estou seguro que somente obedecendo posso ser absolutamente feliz, e com a ajuda de Maria, santificar-me”.
“Este pobre homem pretende ocultar sua cruz. Se visses que vontade tenho de viver oculto na casa de Deus…”.
“Amemos nosso lugar na terra, pois é vontade de Deus”.
“O verdadeiro amor é o que se fundamenta em Cristo e se apóia na caridade”.
“Se contemplo o Seu amor por mim, me entra um não sei que, que não sei explicar”.
“O que busca a Deus, O encontra. A única coisa que importa é buscar-Lhe.”
“Com minhas forças não poderei ser santo, mas com Jesus e Maria ao meu lado, posso tudo”.
Irmão Rafael Arnáiz
Cartas (128)-643; (182)-898; (185)-947; (124)-595; (182)-188; (127)-625; (42)-98; (101)-414; (40)-94; (90)-311
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Evangelho de Domingo

jesus deserto

Estudo sobre Jesus no deserto – Tentações e vitórias:: Eu o conduzirei ao deserto e falarei ao seu coração

 
Jesus tinha apenas acabado de ser batizado no rio Jordão por João Batista, recebeu a investidura messiânica quando se ouviu a voz do Pai: “Este é o meu Filho muito amado, escutai-o”.
Foi enviado para anunciar a boa nova aos pobres, curar os corações feridos, pregar o Reino. Antes porém Jesus jejuou, rezou, meditou, lutou, em profunda solidão e silêncio. Muitos homens e mulheres, desde a antiguidade cristã, escolheram imitar Jesus, nos desertos do Egito, da Palestina, em lugares solitários, montes e vales remotos. Assim surgiram mosteiros, ordens contemplativas e tantas casas de retiros em toda a parte até na atualidade.
O deserto é um convite para todos os que crêem, para todos os que buscam a verdade absoluta, Deus.
Há uma exortação feita por Santo Anselmo de Aosta a nós dirigida para celebrar com proveito a quaresma e para vivermos tempos de deserto conforme o Senhor nos oriente a fazê-lo:
“Pobre mortal, foge  por breve tempo de tuas ocupações, deixa um pouco os teus pensamentos tumultuados. Deixa para traz,  nesse momento, graves preocupações e põe de lado tuas fadigosas atividades. Sê, um pouco, atento a Deus e nele repousa. Entra no íntimo de tua alma. Exclui tudo, menos Deus e aquele que te ajuda a procurá-lo. Fecha a porta e diz a Deus: Procuro o teu rosto. O teu rosto eu procuro, Senhor.” (Santo Alnselmo)
Deserto tornou-se o modo de entrar em nós: fazer um pouco de vazio e de silêncio em torno de nós mesmos, reencontrar o caminho do nosso coração, subtrair-nos ao barulho  e às solicitudes externas, para entrar em contato com as profundezas do nosso ser. Estamos intoxicados por excesso de rumores e luzes de vídeos, gravações e cartazes. Tornamo-nos insensíveis e sem capacidade de reflexão. Vivemos de ficções, do irreal.
O deserto próprio do Cristão não é lugar árido, sem vida e sem comunicação. Vale lembrar a palavra de Deus dirigida a seu povo, segundo o profeta Oséias 2, 16:
“Eu o conduzirei ao deserto e falarei ao seu coração”. (Os 2,16)
 
É preciso viver o tempo de deserto quando Nosso Senhor nos convida a viver.
A Quaresma é tempo propício por excelência, mas se Espírito Santo nos impele, sejamos dóceis.
Obs.: Texto reformulado por mim para o estudo. Baseado em texto do Dom Geraldo M. Agnelo – Cardeal Arcebispo de Salvador e retirado do Site Universo Católico

Pax Domini

 

 

 

 

OUVE MINHA VOZ E VIDA TERÁS
OUVE MINHA VOZ E SERAS VENCEDOR!!!
 
 
 
 
 
FELIZ SÁBADO IASD FACEBOOK ESPERANÇA DO ADVENTO